Time News Abril 2018

25 de Abril é celebrado do Dia do Despachante Aduaneiro, aquele que desembaraça qualquer problema!
Deixamos os parabéns para os profissionais da casa, bem como todos que atuam nesta área que é marcada pelo deadline.
Abril também está sendo muito especial para nós, itajaienses e brasileiros, pois bem em frente à matriz da Time Log Agenciamentos, está acontecendo até o dia 22, a etapa brasileira da Volvo Ocean Race (página 04).
Você ainda verá nas páginas desta edição informações sobre o relatório do USTR, escritório americano que criticou severamente o Brasil (página 03) e a certificação da Time Log Agenciamentos em mais um Selo Social (página 02).
As comemorações dos aniversariantes do mês (página 06) e muito mais, vocês encontram aqui, na edição de abril do Time News.

Boa leitura e até a próxima!

Daniel Carmona Chiaratti e Fábio Luis Pereira, diretores da Time Log Agenciamentos.

Veja a versão on-line aqui.
#timenews #news #comex #timelogagenciamentos #timelog #volvooceanrace #VOR #itajaistopover #itajaí #itajai

01

02

03

04

05

06

07

08

Mato Grosso do Sul deve ganhar novo terminal portuário

Mato Grosso do Sul deve ganhar novo terminal portuário
Ampliação da capacidade do porto vai facilitar escoamento de grãos.
Fonte: Correio do Estado, 18 de Abril de 2018.

Fonte: Toninho Ruiz (Divulgação).

Fonte: Toninho Ruiz (Divulgação).

“Mato Grosso do Sul deve ganhar mais um terminal em Porto Murtinho, em um momento em que o volume de produtos transportados por hidrovias cresceu 37,65% em 2017, em relação ao ano anterior. Com essa unidade, o Estado passará a ter 10 portos, segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

A ampliação da capacidade portuária do município, situado a 413 quilômetros de Campo Grande, foi confirmada pelo governo do Estado. “Já estamos trabalhando com a possibilidade de uma nova operação. Temos pedido oficial do governo [federal] para construção de um novo porto”, informou ao Correio do Estado o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

Ainda conforme informações do governo, três áreas privadas no município de Porto Murtinho já estão em análise. O empreendedor, ou grupo de empreendedores, é estrangeiro e a expectativa é de que a transação, uma vez iniciada, seja concluída no prazo máximo de quatro meses. O montante de investimentos ainda não foi divulgado. “Não podemos falar de preços, estamos analisando. Esse é um ponto fundamental”, comentou Verruck”.

Analistas destacam benefícios do Certificado de Origem Digital nas ações do comércio exterior

Analistas destacam benefícios do Certificado de Origem Digital nas ações do comércio exterior
Fonte: Firjan via Comex do Brasil, 18/04/2018.

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

“Rio de Janeiro – A versão digital do Certificado de Origem possibilitou a redução do prazo de emissão de dois dias para apenas 15 minutos, em média, segundo Cibele Oldemburgo, analista de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Em palestra realizada dia 10 na Firjan, ela detalhou o funcionamento do sistema e seus benefícios para exportadores e importadores.

“O Certificado de Origem Digital (COD) evita erros e reduz custos e burocracias, como o de envio de papel aos órgãos que precisavam assiná-lo. A versão online também garante maior segurança, visto que cada assinatura digital é única e intransferível, eliminando fraudes e falsificações”, detalhou Cibele. Para ser aceito nas aduanas, é preciso ter assinaturas válidas da empresa e de uma entidade emissora. No estado do Rio, a Firjan Internacional é a entidade habilitada.

A emissão digital do documento se iniciou em 2017 entre Brasil e Argentina. Hoje, o Uruguai também já aceita a versão digital do documento. Chile, México, Colômbia, Bolívia e Cuba estudam adotá-lo. “A Argentina só aceitará a versão em papel do Certificado de Origem até 31 de dezembro deste ano”, destacou Cibele.

Vantagens

Camilla Mafissoni, responsável pelos Serviços de Internacionalização da Confederação Nacional da Indústria (CNI), ressaltou que o CertificadAnaliso de Origem, tanto em sua versão em papel quanto digital, garante a redução ou isenção do imposto de importação.

“No caso do Mercosul, por exemplo, a redução pode chegar a 100% do imposto. Assim, o documento garante que o produto brasileiro seja mais competitivo em relação aos países que não possuem acordos comercias”, explicou.

Douglas Zuliani, gerente Global de Conformidade Comercial da Michelin, apontou os benefícios da empresa com a adoção da versão digital. A companhia tem na Argentina 18% do volume de suas vendas externas. “Hoje, 100% dos nossos Certificados de Origem são emitidos online para a Argentina. Com o Uruguai, isso também se tornará realidade em breve”, observou.

De acordo com Zuliani, essa mudança possibilitou redução de custos e falhas, aumento na segurança e menos atraso no envio de mercadorias aos seus clientes. “O sistema é muito simples de se utilizar, é rápido e foi muito bem desenvolvido. Muitas melhorias foram feitas, então, percebe-se que a CNI e a Firjan estão ouvindo a iniciativa privada e providenciando as evoluções necessárias”.

Segundo João Paulo Alcantara, gerente Geral de Suporte Sindical e Empresarial da Federação, em um futuro breve, a opção online será a única possível no mercado, por conta de todos os seus benefícios: “Por isso, é importante começar a usar logo o COD”.

Certificado de Origem

Documento que atesta a nacionalidade dos produtos e que concede benefícios tributários aos países com os quais o Brasil possui acordos de comerciais, o Certificado de Origem é uma ferramenta de competitividade para exportadores e importadores. O documento, tanto em sua versão em papel quanto digital, garante a redução ou isenção do imposto de importação. No caso do Mercosul, por exemplo, a redução pode chegar a 100% do imposto.

Para mais informações sobre a assessoria especializada sobre o COD oferecida pela Federação, entre em contato pelo e-mail certificadodeorigem@firjan.com.br”.

Prefeitura emite alvará para construção de obra no Porto de Paranaguá

Prefeitura emite alvará para construção de obra no Porto de Paranaguá
Fonte: Appa via Portos e Navios, 17 Abril 2018.

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

“O diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), Lourenço Fregonese, esteve nesta segunda-feira (16), na Prefeitura de Paranaguá, aonde foi assinado o alvará de construção das obras da empresa Moinho Iguaçu.

Os investimentos na obra – que prevê a construção de correias, interligando o armazém ao cais oeste – receberá investimentos de R$ 100 milhões de reais. As obras têm início no mês de maio e o prazo de entrega é de 9 a 12 meses. Após a conclusão da obra serão gerados aproximadamente 100 empregos diretos e 300 indiretos.

Para Lourenço Fregonese, diretor presidente interino da APPA, a agilidade da prefeitura de Paranaguá tem ajudado a trazer investidores. “O mundo está enxergando nossa cidade, não é à toa que grandes empresas têm investido aqui. E a gestão municipal está de parabéns por perceber que os investimentos de hoje farão a diferença no futuro”, ressaltou.

O diretor presidente da empresa Moinho Iguaçu, Alcides Cavalca Neto, agradeceu a todos que contribuíram para a realização deste empreendimento. “Estamos contentes e agradecidos com a prefeitura de Paranaguá, Ministério Público, vereadores, secretários e todos que fizeram os estudos para aprovação desta obra”, declarou o diretor-presidente.

O prefeito Marcelo Roque destacou que este é mais um avanço para o município. As obras são estruturais e ficarão para o futuro da cidade, assim como os recentes investimentos do Governo do Estado em Paranaguá. “Com esses investimentos nossa cidade cresce como referência nacional na área portuária. Além do crescimento do emprego e renda, aumentam o número de empresas que desejam se instalar em Paranaguá e assim a prefeitura pode investir mais em educação, saúde e segurança para todos”, finalizou o prefeito.

O vereador Luizinho Maranhão, presidente da Comissão de Assuntos Portuários da Câmara Municipal de Paranaguá, destacou que o processo de emissão do alvará seguiu todos as normas legais.

Moinho Iguaçu

Há 69 anos no mercado, a empresa é uma companhia de agronegócio, que atua na cadeia logística completa desde a produção de sementes até a trade de grãos. Está presente em 16 filiais distribuídas na região Oeste do Paraná e conta com terminal próprio no Porto de Paranaguá”.

Brasil exportou mais carne bovina no começo de abril

Brasil exportou mais carne bovina no começo de abril
Quantidade embarcada diariamente subiu 14,9% nas duas primeiras semanas de abril sobre igual mês de 2017. Receita cresceu 9,8%.
Fonte: ANBA, 17/04/2018.

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

“São Paulo – A quantidade de carne bovina in natura que o Brasil embarcou ao exterior nas duas primeiras semanas de abril cresceu sobre o mesmo mês de 2017. Também aumentou a receita gerada por essas vendas.

Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) mostram que a média diária de envios gerou US$ 17,8 milhões na primeira quinzena deste mês, valor 9,8% maior do que em abril do ano passado, quando os embarques somaram US$ 16,2 milhões ao dia.

A quantidade também cresceu. Foram 4,5 mil toneladas enviadas diariamente nas duas primeiras semanas deste mês contra 3,9 mil toneladas em abril de 2017. O aumento, neste caso, foi ainda maior, de 14,9%. Houve queda de 4,4% no preço na mesma comparação”.

Porto de Paranaguá recebeu 110 mil caminhões no trimestre

Porto de Paranaguá recebeu 110 mil caminhões no trimestre
Somente em março, quando a safra de grãos brasileira começou a ser exportada pelos produtores, 47.126 veículos passaram pelo Pátio de Triagem do porto, a segunda maior média mensal de toda a história.
Fonte: Agência de Notícias do Paraná, 18/04/2018.

Foto: André Kasczeszen/Divulgação.

Foto: André Kasczeszen/Divulgação.

“Aproximadamente 110 mil caminhões carregados de soja, farelo e milho já desceram a serra em direção ao Porto de Paranaguá no primeiro trimestre deste ano. Somente em março, quando a safra de grãos brasileira começou a ser exportada pelos produtores, 47.126 veículos passaram pelo Pátio de Triagem do porto, a segunda maior média mensal de toda a história.

Em abril, o movimentou aumentou. Apenas na primeira quinzena do mês cerca de 26 mil caminhões carregados de grãos chegaram ao porto, em um recorde histórico para o período.

O ritmo deve ser este até meados de agosto, já que as previsões apontam para um novo recorde de exportação de grãos. Em meio à quebra da safra argentina, a demanda pela soja brasileira deve crescer. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), 70 milhões de toneladas devem ser comercializadas com outros países – e boa parte deste montante passará por Paranaguá.

“Nossos investimentos melhoraram a logística de escoamento de grãos. Com isso, além de dar agilidade aos produtores que já escolhiam o Porto de Paranaguá para escoar suas produções, atraímos novas cargas para cá”, afirma o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Lourenço Fregonese.

No ano passado, o Porto de Paranaguá já havia registrado recorde de movimentação de cargas, com 51,5 milhões de toneladas, e o maior volume de caminhões no Pátio de Triagem, com cerca de 410 mil veículos.

Para dar conta desta demanda crescente, investimentos foram feitos em todas as etapas do processo logístico. O Pátio de Triagem recebeu obras de modernização das suas portarias e no seu acesso viário, que deram agilidade e segurança aos motoristas.

Na outra ponta, na descarga de grãos, quatro shiploaders (carregadores de navios) foram trocados, substituindo equipamentos da década de 70 e aumentando a capacidade de embarque de cada sistema em 33%”.